Buscar

Em 12 meses, custos de Produção acumulam alta de 26,91%


Valores acumulados sufocam o agronegócio no País


O Índice de Inflação dos Custos de Produção (IICP) do agronegócio gaúcho registrou uma alta de 26,91% no acumulado em 12 meses.


O resultado é o maior da série histórica que teve início em 2010. O Índice de Inflação dos Preços Recebidos pelos Produtores Rurais (IIPR) também teve elevação no período, atingindo 38,66%. Os dados foram divulgados pela Farsul nesta segunda-feira (30/8).

Em julho, o IICP teve forte elevação de 4,71% em relação a junho.


O principal fator que influenciou a alta foi a taxa cambial que refletiu no aumento do preço dos fertilizantes. Desde o início do ano, os custos de produção apresentaram altas consecutivas. No ano, o acumulado do indicador é de 22,92%, enquanto o IPCA ficou em 4,76%.


Já o IIPR de julho apresentou a segunda queda consecutiva no ano. Uma variação de - 2,75% em relação ao mês anterior. Mesmo com a retração no mês, os preços continuam em patamares superiores ao mesmo período do ano passado.


Uma série de fatores contribuiu para a elevação dos preços em 2020, como a seca, que refletiu em menor oferta interna de produtos agrícolas; a desvalorização cambial; e o aumento da demanda por alimentos em função do Auxílio Emergencial. Com exceção da estiagem, todos estes fatores seguem presentes na conjuntura de 2021 e, por essa razão, os preços mantém a trajetória de valorização.


Fonte: Imprensa Sistema Farsul

11201923_1639282159668086_49515384671300